News Latest:
     
Glossário PDF Imprimir E-mail

-- A --


- Ação: Valor Mobiliário correspondente a uma fração do capital social de uma companhia.

- Ação de primeira linha: São ações de grande liquidez e procura, em geral de empresas tradicionais, de grande porte e excelente reputação.

- Ação de segunda linha: São ações um pouco menos líquidas, de empresas de boa qualidade, mas de maior risco. Em geral, são de empresas de grande e médio portes. Normalmente sobem antes das "blue chips" e caem antes.

- Ação de terceira linha: São ações com pequena liquidez, Em geral de companhias porte médio e pequeno, porém não necessariamente de menor qualidade. Sua negociação caracteriza-se pela descontinuidade.

- Ação preferencial: Tem preferência na distribuição de dividendos da empresa e pode ou não ter direito a voto na assembléia dos acionistas. Se a empresa não distribuir dividendos em três exercícios sociais, as preferenciais adquirem direito a voto.

- Ação ordinária: Tem direito a voto por definição de lei e participa da distribuição de lucros após as preferenciais.

- Acionista: É o proprietário de ações de uma empresa. Há dois tipos de acionistas: o majoritário e o minoritário. O majoritário é aquele que possui pelo menos metade das ações de uma companhia e mais uma ação. É quem detém o controle da companhia. O minoritário possui cotas pequenas de ações sem direito a voto.

- After Market: Sistema eletrônico de negociação disponível para os clientes de corretoras associadas à BOVESPA. Permite a negociação de ações no horário das 19 às 22 horas. A Bolsa determina valores por operação e limites de oscilação para as ações negociadas neste período.

- Ágio: Diferença entre o que vale e o que se paga por determinado bem ou produto. Se essa diferença for positiva existe ágio, se for negativa, deságio.

- Ajuste Diário: Mecanismo por meio do qual as posições mantidas pelos clientes, nos mercados futuros, são acertadas financeiramente todos os dias, conforme apresentem ganho ou perda em relação ao preço de ajuste do dia anterior.

- Alavancagem: Relação entre o capital de uma empresa e a quantia que ela toma emprestado no mercado. Quanto mais alavancada, mais endividada está a empresa e, portanto, há mais risco de ter problemas financeiros.

- American Depositary Receipts (ADR): Certificados que representam ações de companhias sediadas fora dos Estados Unidos. São emitidos por bancos norte-americanos. Várias empresas brasileiras usam as ADRs como mecanismo para captar recursos no exterior fugindo das altas taxas de juros dos empréstimos em seu próprio país.

- American Option (Opção Americana): Opção que pode ser exercida em qualquer data até seu vencimento (expiration date) inclusive.

- Amortização: Redução gradual de uma dívida por meio de pagamentos periódicos combinados entre o credor e o devedor. Empréstimos bancários e hipotecas são, em geral, pagos dessa forma.

- Análise Fundamentalista: Métodologia para determinação de valor econômico de empresas e projetos.

- Arbitragem: Operação em que o investidor procura ganhar sobre a diferença entre o preço de um ativo em determinado mercado geográfico e o preço desse mesmo ativo em outro mercado. O desenvolvimento dos Derivativos proporcionou uma certa " extensão " desse conceito com a arbitragem entre um título e o correspondente " título sintético ". Exemplo: Utilizando-se a paridade put-call chega-se à conclusão de que a venda futura de um ativo no mercado a vista (spot market) é equivalente à compra de uma opção de venda européia mais a venda de uma opção de compra européia sobre esse mesmo ativo, ambas com o mesmo preço de exercício (strike price) e mesmo vencimento. Se o ativo " sintético " ( isto é, a compra da opção de venda mais a venda da opção de compra ) é mais caro do que o preço futuro do ativo em foco, vende-se o sintético e compra-se o futuro, e vice-versa.

- Ativos: Conjunto de bens, valores e créditos que formam o patrimônio da empresa. Existem três tipos principais de ativos: ativo circulante: é o dinheiro em caixa, os saldos bancários e os valores que podem ser transformados em dinheiro imediatamente; ativo fixo: é tudo que é essencial para ao funcionamento da empresa - como imóveis, patentes, ferramentas, máquinas; ativo financeiro: são os bens que a empresa detém no mercado financeiro, como títulos públicos, certificados de depósitos bancários, debêntures etc.

- Ativo Subjacente: Também chamado de "underlying" ou ativo objeto. Diz-se do ativo, financeiro ou não, sobre o qual se faz um contrato derivativo. A variação do preço do ativo subjacente vai determinar os ganhos ou perdas dos contratantes do derivativo. Por exemplo, em um contrato de opção de venda de soja, o ativo subjacente é a soja e o derivativo é a opção.

- At the Money (no preço): Diz-se da opção cujo preço de exercício é próximo ao preço do ativo subjacente no mercado a vista. Em geral, isto ocorre para deltas entre 0,35 e 0,65.

-- B --

- Banco Central (BC ou BACEN): Autoridade monetária do País responsável pela execução da política financeira do governo. Cuida ainda da emissão de moedas, fiscaliza e controla a atividade de todos os bancos no País.

- Balança Comercial: Resultado das exportações e importações realizadas por um País. Quando as exportações são maiores que as importações registra-se um superávit na balança. O contrário significa déficit.

- Balanço: Informações econômico-financeiras que uma empresa apresenta ao mercado com determinada periodicidade. Entram nesta lista bens, créditos, dívidas e compromissos da companhia. Quem negocia ações na Bolsa de Valores é obrigado a publicar o balanço para que sirva de referência a investidores na hora de decidir comprar papéis daquela empresa.

- Balanço de Pagamentos: Levantamento de todo o dinheiro que entra e sai do país. É um conceito mais amplo do que o da balança comercial: inclui as remessas de dinheiro para o país feitas por brasileiros no exterior e por estrangeiros (sejam empresas ou pessoas físicas), créditos e débitos empréstimos tomados junto a bancos estrangeiros.

- Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID): Órgão internacional que visa ajudar países subdesenvolvidos e em desenvolvimento na América Latina. A organização foi criada em 1959 e está sediada em Washington, nos Estados Unidos.

- Banco Mundial: É o nome pelo qual é mais conhecido o Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), uma instituição financeira ligada à ONU e criada em 1944. O objetivo inicial do Banco Mundial era ajudar na recuperação dos países europeus cuja economia havia sido aniquilada pela Segunda Guerra Mundial. Atualmente, o Banco Mundial tem como objetivos principais o combate à pobreza e a melhoria nas condições de vida em todo o mundo. O número de países-membros é de 181.

- Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES): Empresa pública federal vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior que tem como objetivo financiar empreendimentos para o desenvolvimento do Brasil.

- Base: Em inglês, basis é a diferença entre o preço futuro e o preço a vista de uma commodity, em função de custos de frete, capacidade de estocagem, taxas de juro, qualidade, expectativa de preços etc.

- Base Monetária: É o nome dado ao conjunto de toda a moeda existente em um país. Os economistas dividem a base monetária em quatro grupos: M-1; M-2; M-3 e M4 onde:

- M-1: são os meios de pagamento, ou seja, a soma das cédulas e moedas em poder do público e dos depósitos à vista no sistema bancário;

- M-2: é o M-1 mais o total de depósitos a prazo no sistema bancário, incluindo os Certificados de Depósito (CDB e CDI) e parte dos títulos públicos (inclui apenas aqueles títulos que não estão em poder de bancos e fundos de investimento);

- M-3: é formado pelo M-2, somado ao total dos depósitos em caderneta de poupança;

- M-4: equivale ao M-3 mais o restante dos títulos públicos, além de alguns títulos privados, como letras hipotecárias e letras de câmbio.

- BDR (Brazilian Depositary Receipts): São documentos emitidos por bancos brasileiros que representam ações de companhias estrangeiras. Os BDRs podem ser negociados livremente no Brasil, inclusive nas bolsas de valores.

- Benchmark: Do inglês, ponto de referência ou termo de comparação. É o indicador usado para comparar a rentabilidade entre investimentos, produtos, serviços e taxas. Um exemplo: as taxas de juro base determinadas pelo Copom (Comitê de Política Monetária), servem como benchmark para todas as taxas de juro praticadas no Brasil.

- Beta: O beta é um índice que mede a resposta de variação percentual de preços de um ativo em função da variação percentual de um índice ou uma carteira de referência.

- Black-Scholes: Modelo de precificação proposto por Black e Scholes em 1973, no clássico artigo "The Pricing of Options and Corporate Liabilities", no Journal of Political Economy. Esse modelo implica uma fórmula analítica fechada para o cálculo do preço de opções de compra (calls) e de venda (puts) européias. Apesar das hipóteses restritivas, a operacionalidade do modelo tornou-o de longe o mais largamente utilizado no mercado.

- Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F): Sediada em São Paulo, ela realiza dois tipos de negócios: a vista ou futuro. Quem paga a vista movimenta um mercado em que são fechados contratos de compra e venda de commodities, principalmente mercadorias agropecuárias (gado, café, açúcar, feijão e soja) e o ouro. Nas negociações futuras entram os contratos de dólar, boi gordo, o índice Bovespa, juros, e a maioria das commodities. Quem recorre a esses mercados geralmente tem um objetivo: proteger-se de flutuações nos preços dos produtos ou mercadorias.

- Bônus: Gratificação dada aos funcionários de uma empresa após um determinado período (normalmente um ano) que costuma ser proporcional aos resultados obtidos pela empresa naquele período. O termo vale ainda para ações distribuídas gratuitamente aos sócios quando a empresa aumenta seu capital. Também se refere aos títulos da dívida pública emitidos em série ao portador e com vencimento em data predeterminada, usados pelo governo adiantar receitas e pagar débitos fiscais.

- Bolsas de valores: São os mais importantes centros de negociação de ações, devido ao expressivo volume e à maior transparência das operações. Organizadas como sociedades civis, sem fins lucrativos e com funções de interesse público, as bolsas atuam como órgãos auxiliares da CVM na fiscalização do mercado (em especial de seus membros, as sociedades corretoras) e tem ampla autonomia na sua esfera de responsabilidade.

- Blue Chips: Ações de primeira linha - as mais negociadas pelo mercado.

- Bonificação: Espécie de prêmio que o acionista recebe da empresa em função de bons resultados.

- Break Even Point: Ponto de equilíbrio, em português. É o empate entre despesas e receitas de uma empresa. Receita maior que a despesa significa que a companhia tem lucro. Abaixo, é prejuízo. O termo também se aplica a cotações de ações e outros ativos. Com cotações superiores ao break even point o investidor ganha; com valores inferiores, perde.

-- C --

- Capitalização: Aumento do patrimônio de uma empresa com a injeção de dinheiro novo. Há basicamente duas formas disso acontecer: pela emissão de ações ou títulos (que são vendidos, e o dinheiro resultante é incorporado ao capital da empresa) ou pela venda de parte da companhia a um novo sócio.

- Carteira: Valor que uma pessoa física ou jurídica possui em um tipo de investimento. Quem aplica em Bolsa, por exemplo, tem uma carteira de ações.

- Cartel: O termo é usado normalmente para definir grupos empresariais que se unem para controlar a oferta de determinado produto e obter preços mais altos. Para fazer isso, esses grupos impedem que novas empresas atuem no setor. Quando isso acontece, eles passam a praticar preços artificialmente baixos, até que o novo concorrente não consiga mais vender seus produtos e acabe quebrando.

- Casa da Moeda: Instituição que fabrica moedas e imprime cédulas no Brasil sob determinação do Banco Central. Ela detém ainda o monopólio sobre a impressão de passaportes e selos postais.

- CDB: Título privado emitido por instituição financeira, que comprova que seu proprietário tem um depósito bancário remunerado na instituição financeira emissora. Pode ser comprado e vendido e rende juros.

- CDI: Taxa média dos empréstimos feitos entre os bancos. Esses empréstimos são registrados por uma instituição chamada Cetip (Central de Custódia e Liquidação de Títulos Privados).

- CEO: Iniciais da expressão em inglês chief executive officer, que significa o diretor-presidente de uma companhia ou seu diretor-executivo mais importante e com maiores poderes.

- Cesta de Moedas: Recurso usado como índice de variação de ativos financeiros para evitar variações bruscas de uma única moeda. Na prática, estabelece-se um conjunto de moedas de diferentes países (geralmente desenvolvidos) que entram na cesta. Determina-se então uma média ponderada para cada uma delas e o resultado é uma espécie de moeda internacional que corresponde aos direitos de saque no FMI. A medida foi adotada pela primeira vez em 1971, com a desvalorização do dólar americano.

- CETIP: É a sigla da Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos. Sem fins lucrativos, foi criada em conjunto pelas instituições financeiras e o Banco Central, em março de 1986, para dar mais agilidade e segurança às operações realizadas com títulos privados.

- Circuit-Break: Artifício de segurança acionado nas bolsas de valores para interromper o pregão. Na Bovespa isso acontece quando o índice Bovespa (ibovespa) cai em 10%. Soa-se então uma sirene que pára as negociações durante meia hora. Esse artifício de segurança volta a funcionar se a queda persistir e chegar a 15%.

- Clearing House ou Câmara de Compensação: Sistema que compatibiliza as posições compradas com as vendidas, de forma a garantir o fiel cumprimento de obrigações contratuais assumidas em mercados organizados. A Clearing BM&F tem como responsabilidade registrar as operações realizadas, acompanhar e controlar a evolução das posições em aberto, compensar financeiramente os fluxos de pagamentos, efetuar a liquidação física e financeira dos contratos e administrar as garantias financeiras exigidas dos participantes. Esse processo apóia-se em sólido sistema de salvaguardas financeiras.

- Conselho Monetário Nacional (CMN): Formado por órgãos públicos e entidades privadas, ele atua como uma espécie de fiscal da política econômica. Faz parte de suas atribuições corrigir surtos de inflação ou deflação, fixar normas para a política cambial, coordenar as políticas de crédito, monetária, fiscal, orçamentária e a dívida pública (interna e externa). Também fixa normas da política cambial, aprova orçamentos monetários, limita as taxas de juros e disciplina o crédito.

- Commodity: Termo usado em transações comerciais internacionais para designar um tipo de mercadoria em estado bruto ou com um grau muito pequeno de industrialização. As principais commodities são produtos agrícolas (como café, soja e açúcar) ou minérios (cobre, aço e ouro, entre outros). Mais recentemente têm surgido uma nova modalidade: Commodities Ambientais - que tratam do intelecto e do meio ambiente.

- Compliance: É um conjunto de regras e instruções de controles internos e certificações de qualidade e ética profissional nas atividades bancárias e de gestão de recursos - ditadas pelo Banco Central.

- Contrato a termo: É um contrato derivativo onde uma das partes se compromete a comprar da outra um dado ativo, a um dado preço, numa determinada data futura. Diferentemente, dos contratos futuros, nos contratos a termo, não existe mecanismo de ajuste diário, fato este que eleva o risco de o termo não ser honrado por uma das partes. Normalmente, são negociados em balcão.

- Conversibilidade: É a possibilidade de converter a moeda de um país por outra, estrangeira. Na Argentina, onde a conversibilidade é lei: qualquer pessoa pode trocar um peso, a moeda local, por um dólar. No Brasil, o real é uma moeda de curso forçado. Ou seja, por lei, é a única moeda aceita no país, e não é conversível.

- Correção Monetária: É o reajuste periódico de certos preços na economia pelo valor da inflação passada, com o objetivo de compensar a perda do poder aquisitivo da moeda. Desde a implantação do Plano Real, em 1994, a correção monetária está oficialmente extinta no país, mas existem algumas exceções garantidas por lei.

- Corretagem: É o ato de intermediar uma transação entre comprador e vendedor de títulos, ações, imóveis e outras mercadorias

- Corretoras de valores: São instituições financeiras membros das bolsas de valores, credenciadas pelo Banco Central, pela CVM e pelas próprias bolsas e estão habilitadas, entre outras atividades, a negociar valores mobiliários com exclusividade no pregão das bolsas.

- Controlador: Pessoa física ou jurídica ou grupo de pessoas ligadas direta ou indiretamente, que por possuírem a maioria das ações com direito a voto, tomam as decisões da empresa.

- Correlação: O coeficiente de correlação é uma medida de associação linear entre duas variáveis aleatórias. Varia entre -1 e 1. Quanto mais próximo de 0, menor é a associação linear entre as duas variáveis. Quanto mais próximo da unidade maior é essa associação. Se ele é menor do que zero indica associação inversa, se maior, associação direta.

- Cotação: Preço de cada um dos títulos, ações, moedas estrangeiras ou mercadorias negociadas na Bolsa da Valores ou na Bolsa de Mercados e Futuros.

- CreditMetrics: Metodologia de cálculo do risco de crédito de uma carteira desenvolvida pelo banco norte-americano JP Morgan. Busca estimar a distribuição das perdas de uma carteira, levando em conta não apenas a possibilidade de inadimplência, mas também a variação na qualidade do crédito.

- Custódia: Antiga guarda física (hoje escritural) e controle das ações.

- Currency Board (Comitê da moeda): Método de administração monetária em que um país só pode emitir moeda quando possui reservas em igual valor de moeda estrangeira. É um sistema que parte da idéia da conversibilidade - ou seja, da possibilidade de trocar moeda nacional por dólar ou outra moeda forte

- Custo Brasil: Nome genérico dado à série de custos ou despesas que incidem sobre a produção, tornando difícil ou desvantajoso para o exportador colocar seus produtos no mercado internacional ou competir com importados no Brasil. Entram nesta lista custos que vão desde os encargos sociais e o excesso de impostos cobrados sobre os produtos até a falta de estradas para transportar as mercadorias, por exemplo.

- CVM: Criada em 1976 para, juntamente com o Conselho Monetário Nacional, estabelecer as normas e diretrizes de funcionamento do mercado de valores, tem, sob sua jurisdição as Bolsas de Valores e sociedades corretoras, os bancos de investimento, as sociedades distribuidoras, as companhias abertas, agentes autônomos de investimento e as carteiras de depósito de valores mobiliários, fundos e sociedades de investimento, auditores independentes, consultores e analistas mobiliários.

-- D --

- Day Trade: operação em que um papel é comprado e vendido no mesmo dia.

- Dealer: Instituições financeiras autorizadas pelo BC a participar de leilões informais de câmbio e títulos públicos. São escolhidos entre os bancos mais ativos no mercado e têm a responsabilidade de informar os demais bancos sobre o leilão, sob pena de descredenciamento.

- Debênture: Título de renda fixa emitido por empresas para captar recursos, investir ou pagar dívidas. Podem ser negociadas como se fossem ações. Alguns tipos podem ser convertidos em ações da empresa que a emitiu, depois de um prazo definido (normalmente superior a um ano).

- Default: Termo de origem francesa que significa calote de uma dívida.

- Défict: Resultado de uma conta em que as despesas são sempre maiores que as receitas. Ou seja, sai mais dinheiro que entra. Quando há esse desequilíbrio nas contas públicas, dizemos que há um déficit público. Esse, pode ser déficit (público) primário - que não inclui gastos com juros das dívidas interna e externa - ou nominal - que leva em conta as despesas com juros das duas dívidas.

- Deflação: É o oposto de inflação, a queda no índice de preços. Mas nem sempre isso é bom. Com deflações sucessivas, um país mergulha em recessão porque há queda no consumo. As empresas, então, baixam seus preços para tentar reverter a situação. Se isso não ocorre, pode haver demissões e redução nos investimentos.

- Delta: Coeficiente que mede a sensibilidade do preço de uma opção em relação a uma variação de preços do seu ativo subjacente.

- Demonstrações financeiras: balanço da empresa no exercício (conjunto de demonstrativos contábeis e financeiros - balanço patrimonial, demonstração de resultados do exercício-DRE, demonstrativo das origens e aplicações de recursos-DOAR, fluxo de caixa, demonstrativo das mutações do patrimônio líquido-DMPL, balanço social, relatório da administração, parecer dos auditores independentes, entre outros). Nas empresa abertas devem ser publicados no Diário Oficial e no jornal de maior circulação onde a maioria das ações da empresa é negociada.

- Derivativos: Operações feitas no mercado financeiro em que o valor das transações deriva do comportamento futuro de outros mercados, como o de ações ou de juros, por exemplo. Há portanto, um alto risco nessas aplicações, uma vez que o grau de incerteza que envolve essas previsões é sempre muito alto. Mas também os ganhos podem ser exorbitantes.
Há três tipos de derivativos: futuros - que servem para proteger o investidor das flutuações nos preços normais - mercadorias negociadas pelo seu preço de entrega no futuro (dias, meses, anos). Opções - muito usada no mercado de commodities e mercado futuro de ações - contratos que reservam ao seu possuidor o direito de comprar ou vender mercadorias ou título em uma data futura e a um preço pré-determinado. Swaps - do inglês, troca, permuta - contrato que permite trocar em uma data futura pré-determinada, um investimento por outro. Dessa forma, é possível fazer um swap de ações por opções, por exemplo.

- Disclosure: Divulgação de informações por parte de uma empresa, possibilitando a tomada de decisão consciente pelo investidor e aumentando sua proteção.

- Distribuição Normal: É a distribuição de probabilidade mais usada em finanças para modelar retornos de ativos financeiros. Também é conhecida como distribuição gaussiana em referência ao matemático alemão Carl F. Gauss ou ainda como Bell Curve (Curva do Sino) devido ao seu formato semelhante ao de um sino. Caracteriza-se por atribuir probabilidades elevadas aos intervalos numéricos em torno de sua média, evidenciando que experimentos aleatórios regidos por sua lei geram observações extremas com pouco freqüência. Sua tratabilidade analítica, evidenciada por ser perfeitamente descrita por apenas dois parâmetros, respectivamente, sua média e variância, somada à variedade de fenômenos naturais que se comportam segundo sua lei são fatores determinantes de seu largo emprego em todos os campos do conhecimento.

- Dívida Externa: Soma das dívidas de um país (resultante de financiamentos e empréstimos adquiridos no exterior) representada e garantida por títulos emitidos por esse país.

- Dívida Interna: São as dívidas do governo (pública) ou de empresas (privada) brasileiras adquiridas com credores dentro do País.

- Dividendos: É uma parcela do lucro líquido da empresa, depois dos descontos do imposto de renda e contribuição social, dividido entre os acionistas. A lei 6.404 obriga as sociedades a distribuírem pelo menos 25% dos lucros - Valor pago, quase sempre em dinheiro, aos acionistas de uma empresa, quando reparte parte dos seus lucros. Isso acontece, em geral, uma vez por ano.

- Dow Jones: Índice que mostra a variação das 30 ações mais negociadas na Bolsa de Nova York 76-Dumping Venda de produtos a preços inferiores ao valor gasto para produzi-los, com a finalidade de eliminar os concorrentes do mercado.

- Duration (Macaulay Duration): Prazo do "zero coupon bond" equivalente à carteira, ou seja, prazo médio da carteira.

-- E --

- Especulação: Operação financeira feita no mercado com o objetivo de obter ganho rápido. Um especulador, em geral, compra títulos ou commodities que estão com o preço em baixa para vende-los em alta. Mas como é difícil prever o comportamento do mercado, pode-se ganhar fortunas ou registrar perdas estrondosas.

- Estocástico: Diz-se daquilo que envolve um componente aleatório, o mesmo que probabilístico.

- Estrutura a termo: Curva que relaciona a taxa de juros paga por um título de renda fixa ao seu período de vencimento para cada título negociado no mercado. Seu inclinação é, no mais das vezes, positiva, evidenciando que títulos de prazo de maturidade mais longos pagam uma remunerações mais elevadas que os títulos de prazo de maturidade mais curtos. Este fato pode ser explicado tanto por argumentos baseados na idéia de que títulos mais duradouros carregam consigo um maior risco quanto por teorias fundamentadas em preferências pela liquidez (ou impaciência). Por fim, vale notar que nem sempre a estrutura a termo é bem comportada, não sendo raros os casos em que ela é declinante durante alguns períodos no mercado.

- Export Notes: É uma cessão de crédito feita por uma empresa exportadora por conta do embarque que realizará no futuro.

- Exportação: Vendas de bens e serviços de um país em outro. É uma importante ferramenta de política econômica porque com as exportações superando as importações há saldo na balança comercial. Ou seja: dólares em caixa.

-- F --

- Factoring: Atividade em que empresas especializadas compram títulos (duplicatas, promissórias e até cheques pré-datados) com desconto. Pagam esses títulos a vista, o que gera, nas empresas que detinham esses documentos, dinheiro em caixa.

- Faturamento: Valor total recebido com a venda de produtos ou serviços de uma empresa. Entram ainda nesta conta os ganhos obtidos com aplicações financeiras ou venda de ativos.

- Fed (Federal Reserve): É o nome do Banco Central dos Estados Unidos.

- Fed funds rate: É o juro pago pelos títulos do governo dos Estados Unidos, que corresponde à taxa básica da economia americana. Quem define a taxa é o Federal Open Market Comitee (Comitê Federal para o Mercado Aberto), vinculado ao Banco Central americano, que é chamado de Federal Reserve.

- Filhotes: Ou desdobramentos, é quando a companhia resolve fracionar cada ação em mais de uma. Por exemplo, o acionista entrega uma ação de R$ 50,00 e recebe dez ações de R$ 5,00.

- FMI: O FMI foi criada em 1944 e tem sede em Washington, Estados Unidos. O objetivo do fundo é promover a cooperação monetária internacional, a estabilidade cambial, fomentar crescimento econômico e elevar o nível de emprego. Suas atribuições incluem ainda a prestação de assistência financeira temporária a países em dificuldades. Atualmente, o FMI tem 182 países-membros e acumula uma carteira de empréstimos que soma 64 bilhões de dólares.

- Forward Contract ( Contrato para entrega futura ): Compra ou venda de uma quantidade especificada de uma commodity, títulos do governo, moeda estrangeira ou outro instrumento financeiro ao preço atual ou preço do mercado à vista (spot price), com a entrega e liquidação determinados para data futura. Como se trata de um contrato para entrega física ( em oposição a um contrato de opções, onde o proprietário pode escolher entre liquida-lo através da entrega ou apenas por diferença ) pode ser uma cobertura para a venda de contratos futuros.

- Futuro: As partes negociam contratos padronizados representativos de um lote de ações ou um índice de ações, fixando um preço para a liquidação em data futura, admitida a possibilidade de encerramento do contrato antes de seu vencimento. Diariamente, compradores e vendedores apuram lucros e prejuízos nas suas posições relativamente às cotações de fechamento do mercado e fazem um acerto, conhecido como mecanismo de ajuste diário.

-- G --

- Garantias: As bolsas acompanham e fiscalizam seus pregões e administram o risco, estabelecendo limites operacionais e exigindo a apresentação de garantias. Entre outros mecanismos, as bolsas contam com um Fundo de Garantia destinado a ressarcir eventuais perdas decorrentes de erro na execução das ordens.

- Gama: É o coeficiente que mede a variação do delta de uma opção à medida que varia o preço da opção. Em termos um pouco mais técnicos, representa a derivada segunda do preço da opção em relação ao preço do ativo.

- Geração de Caixa: Para a condução dos negócios no curto prazo, as empresas têm necessidade de liquidez (caixa, dinheiro vivo). Esse caixa pode ser gerado de diversas formas: vendas a vista, desconto de duplicatas, financiamentos, venda de ativos, etc..

-- H --

- Hedge: Posição assumida por um investidor que visa à eliminação ou minimização da exposição de sua carteira a determinado fator de risco.

- Holding: Empresa que possui, como atividade principal, participa;cão acionária em uma ou mais empresas.

- Home broker: Serviço eletrônico oferecido por algumas corretoras permitindo o envio de ordens de compra e venda de ações pela Internet, possibilitando acesso às cotações e o acompanhamento de carteiras de ações.

-- I --

- Incerteza: Tecnicamente, é uma situação onde se tem tão pouca informação a respeito do comportamento dos retornos de um ativo que não se consegue modelá-los com uma distribuição de probabilidade que obedeça a um mínimo de requisitos de consistência e, simultaneamente, tenha alguma utilidade para fins de tomada de decisão. Ferramentas estatísticas para o tratamento adequado de tais situações são ainda muito incipientes para o emprego prático em larga escala . No dia a dia, utiliza-se informalmente o termo incerteza também como sinônimo de risco.

- Índice Bovespa: Carteira teórica formada pelas principais ações do mercado brasileiro, que serve de referencial para o comportamento da bolsa.

- Índice FGV 100: Carteira teórica criada pela Fundação Getúlio Vargas, formada pelas 100 maiores empresas privadas não financeiras do mercado.

- Índice Futuro: Mercado onde se faz seguro (hedge) ou se especula com o comportamento futuro do índice Bovespa.

- Inflação: Em termos simples, inflação é o aumento do nível geral de preços de uma economia ou, de outra forma, a perda de valor real (poder de compra) da moeda.
Em termos teóricos, tem-se o problema de definir claramente o que é nível geral de preços, posto que tal definição dependerá do modelo macroeconômico empregado, ou seja, em um modelo com um único bem, o crescimento do preço deste bem é a taxa de inflação, mas, em modelos com mais de um bem, surge o clássico problema da agregação e da fórmula de cálculo ótima.

Por outro lado, sua mensuração prática depende fortemente dos bens e serviços incluídos na composição da cesta de consumo considerada para efeitos de cálculo, assim como da fórmula empregada. De fato, à definição de um índice que reflita adequadamente a perda do poder de compra da moeda subjaz a questão de que esta perda depende da cesta de consumo do agente. Por exemplo, considere uma economia com apenas cinco produtos. Se três deles subirem de preço, mas os outros dois mantiverem seus preços constantes, qualquer fórmula de cálculo que empregue uma média de todos os preços vai registrar inflação (perda do poder de compra da moeda do agente econômico), mesmo para aqueles indivíduos que consomem apenas os dois bens que não sofreram alteração em seus preços. Por essa razão, os existem diversos índices de inflação cada um apontando um valor diferente. Em se tratando de mercado financeiro, a inflação é um indicador importante, pois influi na trajetória futura da política monetária e, conseqüentemente na curva de juros e nos preços dos ativos financeiros, em especial, quando a política monetária é abertamente regida por metas de inflação.

Enfim, a inflação é importante do ponto de vista de análise financeira, pois afeta o valor do ativo financeiro mais fundamental da economia, a moeda, e, como resultado, influencia o preço de todos os demais.

- Informação: É qualquer dado útil para se determinar o comportamento futuro do preço de algum ativo, financeiro ou não. Tecnicamente, informação é uma correspondência entre os possíveis estados da natureza e os eventos que podem ocorrer como conseqüência daqueles estados. Nesse sentido, o conhecimento antecipado de alguma informação ajuda o agente a obter vantagens sobre os demais "players" do mercado.

- Informação Privilegiada: Atividade ilegal. Diz-se dos dados ou planos revelados, com antecipação/exclusividade, a algum(uns) agente(s) sobre o comportamento futuro de alguma variável importante (ex. preço de um ativo) para a decisão de investimento/alocação de recursos.

- IPO (Inicial Public Offering, ou Oferta Pública Inicial): É o primeiro passo para que uma empresa possa vender suas ações no mercado dos Estados Unidos. Recentemente, tem sido o caminho que muitas empresas brasileiras de Internet procuraram seguir para aumentar seu valor de mercado.

- Integralização: O momento em que o acionista entrega o dinheiro ou bens para aumento de capital.

-- J --

Joint Venture: Contrato entre duas ou mais partes para desenvolver um projeto em conjunto. A criação de joint ventures é freqüente quando empresas com tecnologias complementares desejam criar um produto ou serviço que aproveite as potencialidades de cada um dos participantes. Uma joint venture se limita geralmente a um único projeto e distingue-se de sociedades que constituem as bases para cooperações em diversos projetos.

- Just-in-time: Sistema de gerenciamento de suprimentos que evita a formação de estoques, demandando os insumos à medida que são necessários.

-- L --

- Libor (London Interbank Offer Rate): Taxa de juros cobrada pelos bancos de Londres, que serve como referência para a maioria dos empréstimos do sistema financeiro internacional.

- Liquidação por Entrega Física: Consiste na entrega e no recebimento do objeto de negociação pelas partes de um contrato futuro. A BM&F presta serviços de classificação e arbitramento da mercadoria a ser entregue contra as posições assumidas em seus mercados futuros agrícolas.

- Liquidez:
É a capacidade de um título, ação ou outro tipo de bem ser convertido em dinheiro. Quanto mais rápida esta conversão puder ser feita, maior é a liquidez de um papel.

- Long: O mesmo que posição comprada.

-- M --

- Marcar a mercado: Método de contabilização que avalia um ativo pelo seu preço de mercado. No processo de cálculo de risco de uma carteira, deve-se marca-lá a mercado para se descobrir a sua evolução ao longo do tempo como resposta às variações de preços dos ativos que a compõem.

- Margem de Garantia: Depósito em dinheiro, carta de fiança ou títulos públicos ou privados, dentre outros ativos aceitos pela Bolsa, exigido para garantir cada operação, com a finalidade de cobrir o risco de oscilação de preço de dois ajustes diários, ou outro critério estabelecido, que é devolvido ao cliente quando a operação é liquidada.

- Mercado a vista: No qual compradores e vendedores estabelecem um preço para um lote de ações, a ser entregue pelo vendedor (liquidação física) após a negociação e a ser pago pelo comprador (liquidação financeira) somente se efetivada a entrega dos títulos, de acordo com o calendário estabelecido pela bolsa (atualmente na Bovespa a liquidação física ocorre no segundo dia seguinte a negociação e a liquidação financeira no terceiro dia após a negociação).

- Mercado de balcão: Formado pelos bancos, onde as ações são vendidas sem passar pelas bolsas.

- Mercado de derivativos: no qual compradores e vendedores negociam títulos cujos valores dependem (ou derivam) de outros ativos e/ou variáveis. São as seguintes modalidades: termo, opções de compra ou venda, futuro.

- Mercado primário de ações e seus agentes: Onde é feito o lançamento de nova ações, com autorização da CVM e por meio da presença obrigatória de intermediadores financeiros - corretora de valores, banco múltiplo, banco de investimento ou uma distribuidora - que exercem o papel de coordenadores do lançamento.

- Mercado secundário de ações e seus agentes: Após o seu lançamento, as ações passam a ser negociadas no mercado secundário, formado pelas bolsas de valores e pelos mercados de balcão, organizados ou não. No mercado secundário, as operações podem ocorrer sob duas formas principais: mercado a vista  e de derivativos.

- Monopólio: Situação de mercado em que uma empresa domina sozinha a produção ou comércio de uma matéria-prima, produto ou serviço. Assim, ela pode aumentar ou diminuir a oferta conforme suas próprias necessidades, e estabelecer o preço à vontade.

- Moratória: Palavra importada do Direito Comercial, que descreve uma prorrogação do prazo concedido para pagamento de uma dívida, obtida em acordo entre o devedor e o credor. Na economia internacional, o significado é um pouco diferente. Para os economistas, moratória é uma declaração unilateral feita por um país, afirmando que não pagará uma dívida no prazo estipulado. É uma medida extrema, que pode causar graves prejuízos futuros ao país. Isso porque, depois de uma moratória, as instituições financeiras deixam de emprestar dinheiro ao governo que decretou moratória, ou o fazem apenas mediante a cobrança de juros mais altos.

- MTM (Mark-to-Market): Reavaliação do preço de um título ou carteira de instrumentos financeiros com base em seus valores de mercado ou de reversão.

-- N --

- Nasdaq: Criada em 1971, a Nasdaq foi a primeira "bolsa eletrônica" do mundo, que permite fechar negócios via computador. Hoje, concentra as principais empresas dos setores de tecnologia e informática.

- Nikkey: Índice da Bolsa de Valores de Tóquio, equivalente ao Ibovespa na Bolsa de São Paulo ou ao Dow Jones, da Bolsa de Nova York. O Nikkey reflete o preço das 225 ações mais negociadas no mercado japonês.

-- O --

- Opções: Mercado onde o investidor, mediante o pagamento de um prêmio, adquire o direito de comprar ou vender um ativo (ação, título, commodity), no futuro, a um determinado preço preestabelecido. O direito pode ser exercido ou revendido em mercado em/ou até uma data futura preestabelecida (prazo de exercício).

- Opção asiática: É uma opção (geralmente sobre taxas de câmbio) onde o comprador da opção adquire o direito de comprar ou vender (dependendo de a opção ser de compra ou de venda) o underlying pela média de suas cotações durante a vigência do contrato.

- Opção com barreira (Barrier Option): São opções que passam a existir ou deixam de existir se o preço à vista do objeto atingir certo valor - a barreira.

- Opções exóticas: São opções que representam variações sobre os tipos básicos. As opções asiáticas são um exemplo de opção exótica. Um outro exemplo são as chamadas "as you like it" options, isto é, as opções que dão ao seu portador o direito de, depois de um certo período de tempo, escolher se ela será uma put (venda) ou uma call(compra).

- Operador: representante de corretora que fecha os negócios no pregão/mesa.

-- P -- 

- Perpetuidade: Consideração sobre a continuidade de uma empresa ou projeto após o período explícito projetado.

- PIB (Produto Interno Bruto): Corresponde ao valor total de todos os produtos e serviços gerados dentro do país. Por isso é considerado uma medida das riquezas do país. É calculado com base nos preços de mercado e não inclui os preços do atacado nem os de intermediários.

- Pós-fixado: Refere-se à taxa de remuneração de um contrato financeiro que depende da evolução da taxa de juros e/ou da inflação durante o período do contrato.

- Pré-fixado: Refere-se à taxa de remuneração de um contrato financeiro que é previamente acordada entre as partes anteriormente ao seu período de vigência, independentemente da variação das taxas de curtíssimo prazo da economia.

- Pregão: Local da Bolsa onde são compradas e vendidas as ações.

- Prêmio: Preço pelo qual a opção é negociada, cujo valor é determinado pelo preço corrente e pela volatilidade da mercadoria-objeto, pelo preço de exercício e pelo prazo de vencimento da opção, e pela taxa de juro.

- Prime rate: Termo que indica a taxa de juros mais baixa do mercado americano, cobrada apenas de clientes preferenciais, como grandes corporações, com chances remotas de inadimplência. 

-- Q --

- Qualitative Analysis (Análise qualitativa): Em geral é uma análise que avalia fatores importantes que não se podem mensurar com precisão. Em finanças essa análise é mais voltada para os aspectos como experiência, caráter, qualidade geral da administração, moral dos funcionários e status de relações trabalhista do que para as efetivas informações financeiras de uma companhia.

- Quantitative Analysis (Análise quantitativa): Análise que envolve valores mensuráveis. Em finanças são diversos os fatores quantitativos a serem considerados como por exemplo: o valor dos ativos, o custo do capital, os padrões históricos e projetados das vendas, custos e rentabilidade, além de uma ampla gama de considerações nas áreas de economia, mercado financeiro, valores mobiliários, etc. Embora diferentes, os fatores quantitativos e qualitativos devem se combinar a fim de se obterem avaliações financeiras corretas e seguras sobre o objeto da análise.

-- R --


- Rating: É o nível de probabilidade de perda parcial ou total que pode ocorrer em um empréstimo. Basicamente, uma operação de empréstimo está exposta a dois tipos de risco: Risco do Cliente e Risco da Operação.

- Rating do Cliente/Grupo Econômico: É uma classificação de risco, atribuída ao Cliente/Grupo Econômico, conforme suas características, independente do tipo de operação que será realizada. Todos os clientes Pessoas Jurídicas e Pessoas Físicas pertencentes a um Grupo Econômico deverão ter a mesma classificação de risco, ou seja, o mesmo Rating.

- Rating de Crédito: Ao Rating do Cliente são agregados os riscos de cada tipo de operação, de acordo com as suas características de liquidez, resultando no Rating de Crédito, sendo considerado para tanto: Natureza e Finalidade da Transação; Tipos de Garantias, qualidade e controle sobre elas; Adequação entre prazo da operação, esquema de amortização e fluxo de caixa do cliente; Formalização da operação.

- Rho: É o coeficiente que mede a sensibilidade do valor da opção à variação na taxa de juros. Tecnicamente, representa a derivada do preço da opção em relação a taxa de juros

- Risco: Risco pode ser entendido como uma medida do desconhecimento que um investidor tem a respeito do retorno ex-post de seus ativos (financeiros ou não). Por exemplo, em se tratando de uma empresa, poder-se-ia pensar em termos de uma medida da variabilidade do lucro por ação de ano a ano; um produtor de café poderia pensar em termos da variabilidade do preço do café no mercado internacional e um especulador no mercado acionário poderia pensar em termos da variância dos retornos de suas aplicações.
De um modo um pouco mais formal, diz-se que um indivíduo toma decisões sob risco quando ele consegue distinguir um a um os eventos que podem alterar sua riqueza, mas não conhece qual destes eventos efetivamente será o resultado de sua decisão.
De fato, a idéia de risco está intimamente ligada ao conhecimento do indivíduo a respeito da realização de possíveis eventos futuros. Assim, quando temos conhecimento perfeito sobre um assunto, dizemos que temos "certeza", evidenciando que temos toda a informação necessária para determinar exatamente qual será o resultado de algum ato que se tenha praticado.
Neste caso, trata-se de um mundo onde as variáveis relevantes para a tomada de decisão são dadas deterministicamente, não havendo qualquer aleatoriedade em seu comportamento. Quando nos referimos a "risco", pelo contrário, está implícita a idéia de que algum evento desconhecido (e possivelmente indesejado) pode ser resultado de uma de nossas decisões.
Enfim, em se tratando de ambientes sob os quais os agentes tomam decisões podem-se diferenciar basicamente três tipos: certeza, risco e incerteza. Não vamos, contudo, adentrar profundamente na discussão a respeito da diferenciação entre risco e incerteza.

- RiskMetrics: Metodologia de cálculo do risco de uma posição, criada pelo banco norte-americano JP Morgan, que se baseia fortemente no conceito de valor em risco. Seu pioneirismo, publicidade e gratuidade contribuíram para torná-lo uma referência fundamental aos profissionais de risco e acadêmicos que estudam o assunto em nível mundial.

-- S --

- Selic: Sigla de Sistema Especial de Liquidação e Custódia. É um sistema computadorizado do Banco Central, ao qual apenas as instituições financeiras credenciadas têm acesso. Funciona mais ou menos como a compensação de um banco, só que no mercado de títulos públicos: transfere dos papéis para o comprador, ao mesmo tempo em que credita o valor da venda para o vendedor. Tudo isso é feito em tempo real. O Selic calcula uma média dos juros que o governo paga aos bancos que lhe emprestaram dinheiro. Essa média, chamada de Taxa Over-Selic, serve de referência para todas as outras taxas de juros do país. Por isso, a Taxa Over-Selic é chamada também de juro básico.

- Short: Diz-se do investidor que vende um ativo que não possui no intuito de especular com o preço deste ativo O mesmo que vendido a descoberto.

- Simulação de Monte Carlo: Método de solução de um problema baseado na geração de um grande número de cenários definidos pela realização de alguma variável aleatória com distribuição de probabilidade dada. Muito útil para a precificação de opções, em especial, as opções européias.

- Simulação histórica: Metodologia para cálculo do valor em risco que utiliza dados passados para criar cenários de mercado e, por meio destes, levantar a distribuição dos valores da carteira sem fazer a priori hipóteses sobre a distribuição dos ativos que compõem a carteira.
Serve para avaliar qualquer tipo de instrumento financeiro seja ele linear como as ações e os futuros ou não linear como as opções. Sua vantagem frente à Simulação de Monte Carlo é a maior rapidez, derivada do emprego de um menor número de cenários.

- Sociedade aberta: São empresa que têm ações e títulos negociados em bolsas ou mercado de balcão. São fiscalizadas pela Comissão de Valores Mobiliários- CVM.

- Spot:
Mercado a vista ou disponível.

- Spread: Taxa cobrada pelas instituições financeiras em empréstimos ou financiamentos. O spread corresponde à remuneração que o banco recebe para fazer determinada Operação - é dele que a instituição tira seu lucro. O percentual a ser cobrado é proporcional ao risco. Ou seja, quanto maiores forem as chances de o cliente deixar de honrar seus pagamentos, maior será o spread cobrado pelo banco.

- Subscrição: Momento em que o acionista manifesta sua vontade de participar de um aumento de capital da companhia ou aumentar sua participação.

- Swap: Tipo de contrato derivativo no qual duas partes acertam trocar os fluxos de caixa corrigidos por dois indexadores diferentes. A ponta comprada é chamada ativa ou "dada" e a ponta vendida, chamada passiva ou "tomada". Por exemplo, um swap ativo em CDI e passivo em dólar por um prazo de um ano é um contrato que no vencimento renderá ao seu detentor a diferença entre o CDI e a variação cambial. 

-- T --

- Termo de ações: As partes negociam um lote de ações fixando um preço para liquidação físico-financeira em prazo futuro determinado - em geral 30, 60 ou 90 dias após a data de realização do negocio.

- Theta: É uma medida de variação do preço de uma opção decorrente da aproximação de seu vencimento. Tecnicamente, representa a derivada parcial do preço da opção em relação ao tempo.

- TJLP: Sigla para Taxa de Juros de Longo Prazo. Corrige os empréstimos tomados junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) por empresas com projetos industriais e de geração de emprego em andamento.

- TR:
Sigla para Taxa Referencial de Juros, uma taxa criada em 1991 para servir de referência nas transações financeiras realizadas no país. É calculada pelo Banco Central com base em uma amostra dos juros pagos pelos Certificados de Depósitos Bancários (CDBs) das trinta maiores instituições financeiras.

- Trader: Em português, negociador, comerciante, exportador, mas também o operador que negocia por conta própria.

-- U --

- Underwriting: Subscrição de ações no mercado - Esquema de lançamento de ações mediante subscrição pública, para o qual uma empresa encarrega um intermediário financeiro, que será responsável por sua colocação no mercado.

-- V --

- VAR (Value-at-risk): Perda máxima esperada no valor de um título ou carteira, dentro de um intervalo de confiança e período especificado - O Value-at-Risk ou, em português, valor-em-risco (abreviadamente, VAR) é o valor monetário da maior perda que uma determinada carteira pode sofrer como resultado de um movimento adverso nos preços de mercado dos ativos que a compõem num dado intervalo de tempo, com determinado grau de confiança. Por exemplo, um VAR diário de R$1 milhão, com 95% de confiança diz que a maior perda observada no horizonte de 1 dia em 95% dos dias foi de R$1 milhão. Analogamente, em 1 a cada 20 dias uma perda maior que R$1 milhão deve ser observada.

- Value Date ( Data de liquidação ): Na atividade bancária é a data oficial da transferência de fundos, ou seja, quando se tornam disponíveis para o depositante. A data do valor difere da data do lançamento (entry date), em que os itens são recebidos do depositante para em seguida serem enviados ao banco pagador ou recebidos de outra forma conforme estabelecido. O termo é utilizado principalmente em relação a contas estrangeiras, quer mantidas em um banco doméstico quer por um banco doméstico em bancos estrangeiros. Nas operações com eurodólar e moeda estrangeira é sinônimo de data de liquidação (settlement date) ou de data de entrega (delivery date) que, em operações à vista envolvendo moedas americanas (dólar norte-americano, dólar canadense e peso mexicano), corresponde a um dia útil e em operações à vista, envolvendo outras moedas, a dois dias úteis.. No mercado a termo a data de liquidação é a data de vencimento do contrato mais um dia útil para operações em moeda americana e dois dias úteis para transações envolvendo outras moedas.

- Vega: É o coeficiente que mede a sensibilidade do preço da opção à variação na volatilidade do ativo objeto. Tecnicamente, é a derivada do preço da opção em relação à volatilidade.


- Vendido: Diz-se do investidor (ou de sua posição) que vende um ativo financeiro assumindo uma posição devedora no ativo.

- Vendido a descoberto:
Diz-se do investidor que vende um ativo que não possui no intuito de especular com o preço deste ativo. O mesmo que short.

- Volatilidade: Característica de aumento ou queda brusca do preço de um valor mobiliário, commodity ou mercado em um período curto. A volatilidade é uma das possíveis medidas de risco de um ativo.

-- W --

- Wacc: ("Weighted Average Cost of Capital") - Custo médio ponderado do capital de uma empresa: É a média ponderada dos custos de capital próprio (Ke) e de terceiros (Ki) pelas suas respectivas participações no investimento total da empresa.

- Wall Street: Nome popular do distrito financeiro localizado na parte baixa de Manhattan na cidade de Nova York. É onde se situam a Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), a Bolsa de Valores Norte-Americana (AMEX) e inúmeras sociedades corretoras.

- Warrant: Num conceito mais restrito é um instrumento financeiro emitido por uma empresa, pelo qual o comprador do instrumento tem o direito de adquirir novas ações da mesma empresa, por um preço predeterminado, numa certa data ou durante um certo período. É portanto, um tipo particular de opção.
Num conceito mais amplo, não se distingue de uma opção: elimina-se a "exigência", na conceituação acima, de que o instrumento se referencie em novas ações do próprio emitente.

-- Y --

- Yeld Curve ( Curva de Rentabilidade ): Gráfico que demonstra a estrutura de prazos das taxas de juros através de um arranjo de rendimentos de todas as obrigações de mesma qualidade cujos vencimentos variam desde o mais curto até o mais longo prazo possível. A curva resultante indica se as taxas de juros a curto prazo são superiores ou inferiores às aplicadas ao longo prazo.

 

Home Broker

Home Broker é a forma de negociação de papéis em bolsa de valores pelo meio de ordens emitidas em meio eletrônico para corretoras de títulos mobiliários regularmente credenciadas.Saiba Mais

Day Trader

Tipo de corretores identificados pelo seu estilo de intervenção, que consiste em manter posições abertas apenas durante o dia, encerrando no final de cada dia qualquer posição que detenham. Saiba Mais

Candlestick

O Gráfico de candles, também chamado gráfico de velas, popularizou-se na década de 90 com os trabalhos de Steven Nison, autor do famoso livro Japanese Candlestick Charting Techniques. Saiba Mais